COMO FUNCIONA A APLICAÇÃO NO TESOURO DIRETO

O programa Tesouro Direto existe desde Janeiro de 2002 e foi justamente criado para facilitar e democratizar o acesso aos títulos públicos, que antes podiam somente ser adquiridos através da aquisição de cotas de fundos de investimentos comercializados pelos bancos.

Primeiramente, os títulos públicos são papéis emitidos pelo governo e são como um empréstimo que o investidor faz para o governo federal com objetivo de financiar setores como de infraestrutura, saúde e educação, ou seja, você se torna um credor do mesmo e, por isso, recebe uma remuneração (juros) em seu vencimento.

Aplicar em títulos públicos via Tesouro Direto é uma forma simples e barata de ter acesso a partir de R$30,00 a títulos da dívida pública brasileira e para que possa entender o que são títulos públicos, basta fazermos uma comparação com as famílias que, no final do mês, possuem um déficit no seu orçamento financeiro pessoal e precisa recorrer a empréstimos, como o cheque especial ou consignado, que no caso do governo, ele emite papéis com vários prazos de resgate/vencimento quando precisa de dinheiro.

Dentre as vantagens de aplicar no programa, podemos mencionar as seguintes: Facilidade operacional, boa liquidez, formação de poupança de longo prazo, ser uma alternativa para diversificar os seus investimentos e de possuir uma rentabilidade superior a Caderneta de Poupança, sendo que para se abrir uma conta em qualquer instituição financeira se exige valores muito superiores ao citado acima. Outra importante vantagem é a possiblidade de atrelar os Projetos de Vida a cada um dos vencimentos propostos, chegando a prazos que podem se estender até 2050.

Apesar ainda do desconhecimento financeiro de grande parte dos brasileiros sobre o funcionamento do programa Tesouro Direto, ele vem arrebatando investidores a cada mês, sendo que em Junho de 2015 eram 521.884 investidores e em Junho de 2016 chegou-se a 834.835 investidores, um crescimento de 60% ultrapassando um estoque de mais de R$ 32,8 bilhões. Já o número de investidores ativos (compram e vendem títulos pelo Tesouro Direto) chegou a 306.680, uma variação de 86,7% nos últimos doze meses.

 

QUAIS SERIAM OS TIPOS DE INVESTIMENTOS?

Os títulos públicos se dividem em pré-fixados, que são aqueles cuja rentabilidade é conhecida no momento da aplicação e os títulos pós-fixados onde a remuneração é conhecida no momento do resgate, que podem ser indexados à variação da Taxa de Juros Selic ou a um índice de inflação oficial como IPCA, IGP-M.

 

 

Nome do Título

 

Rendimento
 

Tesouro Prefixado 20XX(LTN)

 

 

Prefixado, com rentabilidade definida no momento da compra

 

 

Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 20XX (NTN-F)

 

 

Prefixado, com rentabilidade definida no momento da compra e com pagamento de juros semestrais

 

 

Tesouro Selic 20XX (LFT)

 

 

Pós-fixado, com rentabilidade vinculada à variação da Taxa de Juros Selic

 

 

Tesouro IPCA*, juros semestrais 20XX(NTN-B)

 

 

Pós-fixado, com rentabilidade vinculada à variação da inflação medida pelo IPCA, acrescida dos juros definidos no momento da compra e com pagamento de juros semestrais

 

 

Tesouro IPCA* 20XX (NTN-B Principal)

 

 

Pós-fixado com rentabilidade vinculada à variação da inflação medida pelo IPCA, acrescida dos juros definidos no momento da compra, sem pagamento de juros periódico

 

 

* O XX indica o ano de vencimento de cada título

 

 

Além dos títulos citados, há também a Nota do Tesouro Nacional Série C (NTN-C), pós-fixada vinculada à variação da inflação medida pelo IGP-M. No entanto não está autorizada para compra, apenas para resgate de quem já as possui como investimento.

 

Fonte: BM&F Bovespa

A venda dos títulos adquiridos através do Tesouro Direto é uma possibilidade que o investidor tem de resgatar os títulos antes do prazo de vencimento e existe, justamente, com o objetivo de prover ainda mais liquidez para esse mercado e ocorre diariamente a partir das 18 horas e se encerram às 5 horas do dia seguinte, sendo que podem ainda ser executadas nos fins de semana e feriados. Um detalhe importante para o investidor é que ele deve estar sempre atento, pois, o resgate antecipado dos títulos é realizado a preços de mercado que significa que poderá haver perdas ou ganhos em função da taxa de juros precificada no momento da antecipação desta venda, porém, se o investidor levar a sua aquisição até o vencimento a taxa combinada no momento da compra será honrada pelo Tesouro.

COMO REALIZAR OS INVESTIMENTOS?

Para que possa comprar ou vender títulos públicos é necessário que se cadastre junto a um Agente de Custódia que é uma Corretora de Valores Mobiliários que pode ser escolhida no próprio site do Tesouro Direto e que estão habilitadas a intermediar essas operações, escolhendo de preferência aquelas que tenham a menor taxa de administração e seja um Agente Integrado, logo, tem que ser aquele que possui um sistema em que o investidor possa operar diretamente do site da corretora e que permita Aplicações Programadas para que possa ter a oportunidade de carimbar mensalmente suas aplicações financeiras colocando seu dinheiro para trabalhar por você e para você.

Para mais informações, acesse o site e confira: http://www.tesouro.gov.br/web/stn/tesouro-direto-instituicoes-financeiras-habilitadas

COMO ESCOLHER OS MELHORES TÍTULOS PARA INVESTIR?

Quanto à escolha dos títulos, é importante que o investidor consiga atrelar o seu vencimento com o prazo do Projeto de Vida a ser alcançado. Por exemplo, se o objetivo é trocar de automóvel em 03 anos, então os títulos com este vencimento são mais adequados para este fim. No caso dos títulos com prazos mais longos, estes são destinados para projetos que incluam a compra do imóvel, aposentadoria, faculdade, intercâmbio dos filhos, etc. Já os títulos com Juros Semestrais são mais utilizados para quem já possui um estoque financeiro acumulado significativo e quer transformar esse montante num fluxo de pagamentos a cada seis meses, desde que atenda às necessidades do investidor, pois, o próximo pagamento de juros a serem depositados na sua conta na corretora se dará no próximo semestre. Diante disso, componha sua carteira de investimentos com os títulos que mais se aproximam de seus Objetivos e Projetos de Vida.

É importante ressaltar que os títulos que pagam Juros Semestrais representam apenas uma antecipação do pagamento da rentabilidade do título e, portanto, não significam uma rentabilidade adicional. Já os títulos que não pagam estes juros a cada seis meses, têm como característica que toda a rentabilidade acumulada ao longo do período em que o dinheiro fica emprestado ao governo é paga somente no seu vencimento (principal + juros).

No próprio site do Tesouro Direto é possível fazer a simulação através de uma Calculadora de Investimentos de uma aplicação financeira escolhendo o título, data da compra, data do vencimento, valor investido, taxa na compra e de administração da corretora.  Além disso é disponibilizado um Orientador Financeiro, que não é um dedicado e experiente Planejador Financeiro Pessoal e Familiar, mas é uma espécie de “gerente virtual” que auxilia o investidor na aquisição do título público mais adequado para investir, já o Planejador Financeiro, auxilia a família nesta escolha dando sempre uma ênfase mais profunda ao investidor que ela é em relação ao investimento que ela faz. O orientador tem somente como objetivo fazer três perguntas predeterminadas lhe direcionando para as opções de investimento em razão do seu objetivo financeiro, tipo de rentabilidade e prazo.

Para mais informações acesse o site do Tesouro Direto: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto

Lembre-se que o momento de INVESTIR, é quando as taxas de juros estão elevadas. Esse é o momento de colocar seu dinheiro para trabalhar por você e para você! Fuja das dívidas e bons investimentos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *